quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Filme dublado = lixo!


Foto: dialogosuniversitarios.com.br

Perdoem-me pelo radicalismo, mas não suporto assistir a filmes dublados.

Invariavelmente, as dublagens feitas no Brasil possuem uma qualidade péssima. É impossível assistir a um filme inteiro sem ficar baixando e levantando o volume diversas vezes.

Não bastasse a qualidade questionável das dublagens, há também a questão das vozes escolhidas para cada personagem.

É comum vermos as pessoas reclamarem que o ator tal não deveria ter uma voz tão grave. Ou que a voz "x" pertence exclusivamente ao personagem "y".

Convenhamos que é bem esquisito ver um personagem consagrado migrar de voz de uma hora para outra.

A propósito, será que existe algum (mandamento) código de ética nesse sentido? Algo como "não dublarás o personagem do próximo".

Por outro lado, é complicado para os dubladores serem fieis a determinado personagem. Quantos filmes do Sylvester Stallone são dublados por ano? Será que o seu dublador poderia emprestar a voz do Rambo para o senhor Miyagi, do Karate Kid? É complicado...

Brincadeiras à parte (estava com saudade desta expressão), a questão da dublagem nos remete a um problema muito sério: a educação.

O dono da locadora de filmes aqui da frente da minha casa disse-me outro dia que seus clientes, de um modo geral, não têm o costume de alugar filmes legendados. Aproximadamente 80 ou 90% deles não alugam o filme se a película não possuir a maldita dublagem.

O brasileiro não aprecia filmes legendados porque não gosta de ler. Prefere um som de má qualidade a ter que ler algumas dezenas de frase.

Ler as legendas de um filme, aliás, seria um bom começo para muita gente. Afinal, é lendo que se aprende a escrever...

Fazer o quê se somos um país repleto de preguiçosos?

De qualquer forma, fica o protesto!

6 comentários:

Fa disse...

Eu discordo em parte, eu até gosto de alguns filmes dublados, que cresci assistindo e hoje se for ver legendado perde totalmente o encanto, caso do Chapolin e Chaves, quem ai ve legendado? hehe, mas realmente a dublagem complica, por exemplo no primeiro filme do Rocky Balboa, na versão dublada teve um erro grotesco no fim da luta quando o juiz diz que a luta terminou empatada, na verdade Rocky perdeu a luta do primeiro filme, é só ver legendado, um puta erro do caralho eheheh.

aquele abrá

Igan Hoffman (fazendo o impossível) disse...

Constrangedor é ver o filme dublado com a legenda ativada... Cada um diz uma coisa, o filme muda até mesmo de sentido... também não sou fã de filme dublado não, e vou contar um segredo, curto ainda filmes em VHS e até hoje não me desfiz do meu.. Assisto ainda The Wall O Filme em VHS, aquelas cenas amareladas...adoro!

MeL disse...

Filme dublado é uma bosta mesmo. Lembra quando viemos morar em LM e só tinha fitas com filmes dublados?putz.. O pessoal de LM só começou a ver filmes legendados (melhor:com opção de legenda) por causa da grande invenção do DVD. Eu não vejo filme dublado... a não ser quando passa um filmão na tela quente haha.

beijo!

Por Trás das Letras disse...

Eu detesto ouvir a voz que dubla o Keanu Reeves em qualquer outro filme porque já fiz essa associação ao cara... realmente, é complicado. Falta dubladores aqui no Brasil, os de qualidade. A dublagem é um trabalho sério e que deveria ser valorizado.
Mas eu mesma só assisto filmes e séries legendadas, ou mesmo sem legenda pra treinar o inglês
=)

Essa coisa de legenda me lembrou de Hermes e Renato na Mtv, uahauahauah
Aquilo ali era muito classe!
kkkkkk
morro de rir só de lembrar!

Abraço
Dani

Anônimo disse...

Dublagem é um lixo. Tradução em geral é ruim. Alguém já leu laranja Mecanica em português? Nem queira....De fato, brasileiro gosta de dublado porque tem preguiça de ler, de aprender outro idioma e com certeza, na média, não sabe apreciar filmes em formato original.

Anônimo disse...

A dublagem veio por decreto de Jânio Quadros, que entendia que as produções deveriam atender às necessidades da população brasileira e a conservação do idioma português. O primeiro estúdio de dublagem foi fundado em SP, não por ser o tal sotaque, mas por sua densidade demográfica e a junção, sim, de vários sotaques do país. Mais tarde, que foi fundado no RJ estúdios, por lá estar a Globo. Eu compreendo que a mistura de sotaques presentes no estado de SP é sem cacoetes, mais neutra para várias regiões do país. Já o sotaque do RJ, na sua maioria, do carioca, tem uma forte influência de Portugal, coisa não mais presente em nosso território, e sim, no RJ, PA, e algumas regiões nordestinas. A dublagem do RJ compensa com bons timbres de vozes, o que nos faz, às vezes, deixar passar. Mas tem dublador que deveria dublar somente para Portugal e suas outras ex-colônias que carregam, na fala, traços do ex-colonizador. O Brasil já desvinculara de Portugal na semana da arte moderna, em produções literárias e a imigração desvinculara a maior parte do Brasil do modo de falar do português. Parece que o RJ ainda vive em épocas remotas. Sugiro que deixem para a densidade a fala na produção e cuidem, como exemplo, assuntos voltados à escrita.