segunda-feira, 25 de abril de 2011

Meu primeiro porre!

Foto: bellrockpub.com.br

Dizem que o primeiro porre a gente nunca esquece. E posso lhes assegurar que tal afirmação é a mais pura verdade.

Aconteceu quando eu tinha 16 anos, mas lembro como se fosse hoje.

Atrás da minha casa, tinha um casebre de madeira que eu e meus amigos havíamos apelidado de "no stress 2". Não me pergunte o porque do nome, mas foi lá que fizemos as primeiras festas da turma.

À época, eu e minha esposa ainda namorávamos escondidos, de modo que nunca podíamos sair juntos. Então, costumava ficar em casa com os amigos.

Quando meus pais saiam, nós comprávamos algumas bebidas e curtíamos os conhecidos efeitos do álcool. Na verdade, éramos apenas adolescentes conhecendo um dos melhores amigos do homem.

Numa noite de sábado, em que mais uma vez não pude desfrutar da companhia de minha esposa (à época, namorada), eu e um amigo tivemos a "brilhante" ideia de comprar um litro de conhaque.

Estava na cara que aquilo não iria acabar bem.

Já tinha bebido antes e coisa e tal, mas nunca como acabaria fazendo naquela noite. 

Não bastasse a péssima escolha para a bebida, resolvemos beber o conhaque sem qualquer acompanhamento. Revesamo-nos entre "martelinhos". 

Uma lástima...

Não preciso dizer que no outro dia meu estômago estava virado em migalhas.

Ao ser indagado por meu pai acerca do que havia me feito mal, coloquei a culpa no cachorro-quente, claro. A única barraquinha de cachorro-quente da cidade (acredite se quiser) sempre leva a culpa. Sempre!

Naquela manhã, soando da forma mais clichê possível, falei uma das frases mais conhecidas do mundo:

- Nunca mais vou beber!

Claro que não parei de beber. No entanto, procurei (às vezes sem sucesso) não mais repetir o mesmo erro. Moderação/equilíbrio sempre é o melhor caminho.

Quando penso que existem pessoas que não bebem um pouquinho sequer, quase chego a sentir pena.

Afinal, é como dizem: "quem não bebe, não vê o mundo girar".

8 comentários:

P. Wraider disse...

E quem não bebe e mesmo assim consegue ver o mundo girar? (rs)

Eu pareço estar "alto" sendo eu mesmo (rs). É coisa de louko.

Renata disse...

Já bebi quando era mais nova e cheguei a ficar " alta", mas depois que descobri que existe outras formas de fazer o mundo girar, nunca mais bebi.
Abraços

Alyson Antunes disse...

Kelvim, a frase "nunca mais vou beber" eu usei essa frase ainda umas três vezes depois do primeiro porre. Depois da terceira eu parei... de falar, claro. hahaha.

http://ceusc.blogspot.com

Koisa disse...

no texto não entendi se vc já era casado ou não...

disse...

O Jovem tinha 16 anos mal podia sair, e já era casado? faltou atenção hehe, bicho porre horrivel é de maracujá joinville :(

Drisph disse...

huahuahua, encontrei vc no TT, estou te seguindo la e aqui tbm, abraços e sucesso

MeL disse...

As palavras "esposa" e "namorada" confundiram a galera haha. Gente, tá bem explicadinho.
Bom, sobre o assunto - álcool: eu tive o grande prazer de ver os memoráveis porres teus, meus hehe e dos nossos amigos. Época muito boa! beijo!

Marangoni disse...

"Cú de bêbado não tem dono", já dizia um velho ditado gaúcho..haha.
Lembro-me uma vez de beber caipirinha de Vodka em uma tarde ensolarada e quente, ao som do The Doors, principalmente The End, em cia de vocês, John, Kelvin e Marco.
Abraços...
e acessem
http://mundointerrogado.blogspot.com