sábado, 5 de abril de 2008

Depressão "genérica"






Você conhece alguém com depressão? Poderia, aqui, citar umas vinte e seis mil pessoas que se dizem portadoras dessa doença. Alguém me diga: - Qual o problema das pessoas?

Não sou médico, tampouco psicólogo ou psiquiatra, mas convenhamos que é fácil perceber que essa é a doença da moda. Parece-me que virou a desculpa preferida do “Movimento dos Sem Força de Vontade”.

Acredito, realmente, que há pessoas depressivas. Refiro-me, nesse texto, apenas às pessoas portadoras da “pseudo-depressão”, que atribuem a si algo totalmente inexistente. Para esse tipo de pessoa, é preferível complicar a facilitar, e aí que mora o problema.

A felicidade, como todos estamos cansados de saber, é algo que se conquista nas coisas mais simples. Será tão difícil entender isso?

Claro, no pobre entender dessas pessoas, é mais fácil utilizar-se dos mais variados antidepressivos a enfrentar a vida real. Esconder-se atrás de uma caixa de remédio é mais fácil... não?

Não bastasse o mal considerável que fazem a si mesmas, essas pessoas sobrecarregam o Sistema Único de Saúde do País, tirando as benesses da gratuidade daqueles realmente necessitados, dada a limitação dos medicamentos eventualmente distribuídos.

Não é demais lembrar que quem paga o tratamento dos “pseudo-depressivos” é você, caro contribuinte. Dinheiro esse que poderia ser investido na educação! É lamentável que vivamos num país assim, assolado por uma doença dissimulada, um legítimo delírio coletivo.

A culpa é nossa! Não podemos fomentar tal situação, elegendo-os coitadinhos da vida moderna. Todos deveriam mobilizar-se enquanto há tempo, antes que os “pseudo-depressivos” façam uma revolta armada, criem uma associação paramilitar e tomem de assalto o Governo das pessoas felizes. Afinal, há que pense ser bonito estar com depressão. Vai entender...

E você, “pseudo-depressivo”, se por ventura estiver a ler este texto, saberá do que estou falando. Então, faça um favor ao mundo e pare de utilizar-se dos problemas, os quais são comuns a todos, e viva a vida intensamente, sem se esconder sob as asas tristeza.

O HOMEM PODE SER TUDO, MENOS COVARDE.

6 comentários:

Zé Gota disse...

hehe, é uma das poucas doença derivada do inconsciente coletivo. outros exemplos são o axé e o big brother, mas isso não vem ao caso.
pra ser sincero, fui inibido de fazer algumas críticas construtivas ao texto pelo medo um possível suicídio do autor, que poderia ser tomado por uma súbita depressão...
brincadeira , velho, o teu testo tá, como sempre, com vocabulário, criatividade e poder argumentativo ímpares...
abraço...

Zé Gota disse...

"pelo medo de um..."
hehe

Marco disse...

acompanho o voto do relator e o pedido de vista do Ministro Zé Gotórios!
E, acrescento uma frase que nao sei de quem é, mas deve ser de algum parente do Layr Ribeiro: quem quer, dá um jeito; quem nao quer, arruma uma desculpa.

Zé Gota disse...

texto, hehe, não testo, talvez eu tenha dado uma testada no pc...

Anônimo disse...

Claro q depressão é um coisa besta..

Se vc perder seu pai, perder seu emprego, para que ficar triste neh?

Coisas q vc demora a conquistar, e as perde de uma hora pra outra.. tudo isso é besteira.. extremamente fácil de superar...

Aposto q vc tira de letra pois isso não abala ninguém não é mesmo?!

Kelvim Vargas Inácio disse...

Caro leitor anônimo,

Confesso que quando recebi seu comentário, fiquei preocupado.
Pensei: "Será que não consegui expor de maneira clara minhas idéias, a ponto de um cidadão qualquer não entendê-las?".
Resolvi, então, reler o texto.
Cheguei a duas conclusões:
1) Você não leu o texto inteiro, sobretudo o terceiro parágrafo!
2) Você é mais um desses analfabetos funcionais que não conseguem compreender um simples parágrafo!
Particularmente, prefiro acreditar na primeira alternativa, mas... vá saber...
Com a palavra o Sr. Anônimo!